B.V. Beja. Façamos Serviço Público! Façamos Natal!

No início do mês de Julho de 2022, alertados por uma notícia do JN, que dava conta de que os “Bombeiros de Beja (estavam) sem dinheiro para reparar o único veículo escada do distrito”, um conjunto de pessoas de Beja puseram-se em contacto e iniciaram, de imediato, um grupo a que chamámos “Grupo dos Amigos dos Bombeiros Voluntários de Beja”, com vista a ajudar a resolver a situação.

O tema era urgente porque, na realidade, as 15 corporações do Distrito de Beja estavam impedidas de utilizar o único Veículo-Escada existente na região, e propriedade dos Bombeiros Voluntários de Beja, que se encontrava inoperacional desde meados de Junho, porque a instituição não dispunha dos 60 mil euros necessários à sua reparação.

Iniciou-se, assim, no início do Verão, uma campanha de angariação de fundos com vista a conseguir ajudar a resolver o problema que perigava todo o Baixo Alentejo. A conta foi aberta na Caixa de Crédito Agrícola de Beja e Mértola, com o número PT50 0045 6100 4035 9935 4924 8, para que cidadãos, instituições e empresas locais e nacionais, públicas e privadas, pudessem contribuir para esta causa com ajuda monetária.

A campanha de angariação de fundos rapidamente se mediatizou e, quer a TVI/CNN, quer a RTP, para além de muitíssimos outros órgãos de comunicação social, locais e nacionais, dirigiram-se a Beja com vista a noticiar a necessidade dos Bombeiros, e a campanha que estava a decorrer.

A notoriedade do tema escalou de tal forma que chegou ao Parlamento nos últimos dias de Julho, quando o site noticioso “Notícias ao Minuto” deu conta de que a Deputada do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, questionou nas redes sociais o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, e o primeiro-ministro, António Costa, sobre a recolha de fundos que estava a ser feita para ajudar os BVB em pleno pico de Verão.

Em Agosto continuava a não haver luz verde para desbloquear a situação por parte de nenhum organismo público. Até que, já perto do fim do mês, o caso que continuava a assumir proporções políticas, levou o deputado socialista eleito por Beja, Pedro do Carmo, a ir a público garantir que “o problema da escada de emergência e socorro já tem solução à vista”, justificando que a ANEPC “garante o pagamento de 30 mil euros para o arranjo da respectiva viatura”. Uma solução à vista muito coxa, porque continuava a faltar metade da verba.

A Câmara Municipal de Beja garantiu, então, que o problema seria resolvido no âmbito da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL). Contudo, reunião após reunião, o problema regressava e não eram desbloqueadas verbas, nem encontradas soluções. O caso deu até origem a um “desaguisado” entre o edil da CMB, Paulo Arsénio, e o seu colega de partido, António Bota, presidente da CIMBAL, e da C.M. de Almodôvar. Segundo o que escrevia o site noticioso “Lidador Notícias” de 20 de Agosto, “António Bota emitiu, na tarde desta sexta-feira, um comunicado onde é garantido que a autarquia bejense “assegura os restantes 30 mil euros para a reparação da auto-escada dos bombeiros”.

Paulo Arsénio veio a terreiro e respondeu ao “Lidador Notícias”, desmentindo categoricamente o seu colega: “não é verdade. Isso não corresponde à verdade e nunca foi dito. Está errado”, acrescentando que a Câmara de Beja, desde 8 de Agosto “tem um compromisso sólido. O pagamento de 50% do valor não comparticipado, sem Iva, que corresponde a 10 mil euros”.

No próprio comunicado da CIMBAL é feita referência ao “esforço da sociedade civil que colectaram verbas para esse fim”, numa menção ao grupo “Amigos dos B.V.Beja”, que em menos de um mês já havia angariado 30 mil euros, apontando que “essas verbas podem agora ser entregues aos bombeiros para equipar homens e mulheres para o benefício de todos nós”. É sempre fascinante a forma propagandística de apropriação político-partidária…

E por aqui ficaram os apoios do Poder Público, local e nacional - se quisermos, do Estado Português - a todo o Distrito de Beja, no que à premente necessidade de um veículo equipado com auto-escada, (o único!) para a maior parte do Baixo Alentejo, diz respeito. Dos 60.000 euros necessários, o Estado comparticipou 40.000 (30 mil da ANEPC, mais 10 mil da CMB).

Neste momento, em meados de Dezembro, o Grupo dos Amigos dos BVB, com a ajuda de inúmeros cidadãos anónimos, instituições, empresas – e até associações de condomínios – já ultrapassou, em angariações, a verba total disponibilizada pelo Estado Português na ajuda aos BVB e ao Distrito de Beja. Se 20.000 serão entregues aos BVB para completar o valor total da reparação da Auto-escada, a conta (com os restantes 25.000€) permanecerá aberta até ao fim do ano, aproveitando esta época de Natal, um momento em que tradicionalmente nos sentimos mais disponíveis para ajudar, com um objectivo claro e bem definido: a aquisição de uma ambulância para os BVB.

É por isso que gostaria de apelar a todos os cidadãos, do Baixo Alentejo e não só, que ainda residam na região, ou que estejam a viver noutras zonas do País, ou no estrangeiro; a todas as empresas que possam colaborar com esta causa que, por pouco que seja, contribuam com o que puderem. Porque nós, a dita sociedade civil, teremos sempre uma palavra a dar. Sem alaridos, zangas partidárias, passagens de culpas e responsabilidades. Apenas com o nosso querer, podemos dar o exemplo aos que nos governam. E zelar por aquilo que é nosso. Em nome dos BVB, obrigado!

Veja também...

Ver todos

Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.