A compreensão do ontem, a janela do amanhã

Escreveu para todos eles, Diário do Alentejo, Jornal de Beja, Jornal do Alentejo,  Diário Popular, República  e para a revista Crónicas Femininas, entre 1964 e 1987, com maior incidência entre 1974 e 1975.

Para os mais distraídos, o espaço temporal coincide com a entrada em decadência do regime Salazarista (no início da década de sessenta), queda do Estado Novo e a Revolução dos Cravos.

Não por acaso, mas exatamente porque assim tinha que ser. A minha avó Dulce, uma então Senhora, à época, dona de uma paixão que não lhe era permitida, mas, pelo contrário, oprimida, abafada e silenciada - o jornalismo - vivia em segredo a sua liberdade: a que a escrita lhe permitia. Entre palavras, tudo podia ser, até o que não era, ou quem não era. Prova disso são os muitos artigos publicados que não assinou.

O desejo de uma Mulher, ser jornalista e livre, viria a ser a sua maior clausura, num antagonismo vicioso que a acompanhou até ao seu último dia.

Também em segredo, na maioria das vezes, mantinha a sua grande admiração por Mário Soares. Os artigos que não redigiu, recortou e guardou, os jornais para os quais não escreveu, comprou e colecionou, as palavras que não libertou leu e deixou, numa compilação de História agora descoberta.

Conhecer raízes e aqueles que nos antecederam, permite-nos uma melhor compreensão das gerações seguintes, onde nos incluímos. O modo como olhamos a História, assim como a conexão que travamos com ela, facilita-nos a narrativa identitária e autêntica, fundamental à compreensão do "eu". Porque verdade seja dita, ninguém nasce de geração espontânea.

Na vida, há sempre um futuro que nos leva ao passado.

É certo que a tendência e o desejo de nos projetarmos além, é muito mais forte do que o nosso desejo e interesse em olhar para trás. Acreditar que os nossos pais, avós, bisavós, por terem vivido épocas diferentes, não têm nada para nos ensinar é absolutamente falacioso. São eles que nos dão, muitas vezes, se assim o aceitarmos, as ferramentas para melhor entender a nossa experiência e desafios presentes. (Também os futuros).

Claro que, cada época influenciará, em parte e de diferentes formas, maneiras de ser e estar. Condicionalismos distintos, mas com desafios tantas vezes iguais. Caminhos contínuos, mesmo que pertença, a alguns, a intenção de deles se desviar.

Escreveu José Mário Branco, "Eu vim de longe/ De muito longe/ O que eu andei p'ra'qui chegar".

Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.